Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

A Menoridade

A Menoridade

Tem gente que defende
Manter a menoridade
Tal anseio, não atende
Conter a criminalidade.

Se menor pode roubar,
Tirar a vida sem dó...
Se foi homem p’ra matar!
Também é, p’ró xilindró.

Com a era televisiva...
Os tempos estão mudados.
A mocidade, hoje... é ativa
Entende bem os recados!

Não se alegue imaturidade
Nem se diga, o Ser, precoce.
Isenta a punibilidade
O crime nunca retroce.

Conceitos ultrapassados
Face à nova geração.
Não ‘stá de olhos tapados
Sabe a história e, narração.

Esta nossa juventude
Com conhecimento e saber
Deve p ra cada atitude,
Corresponder-lhe um dever

Não pode ficar impune
Quem escolhe a trilha do mal.
O mau procedimento imune,
Gera, conflito social.

Da infância à adolescência
Três lustros... suficiente
As formas da pubescência
Se ativam precocemente

Muitos são pai nessa idade
Revelando entendimento
Nem se diga por maldade
Sejam pai de fingimento

Se menor pode votar !
Dirigir e tirar carta !
Porque não pode pagar ...
Quando mata e rouba à farta !

Sem punir não tem valor
O fundamento da Lei.
Sem o castigo a rigor
Vem a falência da grei

Da sociedade essa escória
Precisamos varrer a pau.
Como a Douta... em oratória ...
Que está no mesmo degrau !

05/07/2004

Armando A. C. Garcia

E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário