Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

domingo, 24 de abril de 2016

Medo de perder-te

Medo de perder-te


Na cândida candura de teus olhos
Posso ver a simbiose virginal
Onde incertezas saltam aos molhos
Como gotas d’orvalho matinal

Mal percebes instintos de desejo
És da bela primavera florida,
A flor mais bela, que na vida almejo
És o cândido amor de minha vida.

Mais doce é sentir-te convencida
D’ amor que floreia prados e boninas
Enfim, ao meu amor ver-te vencida

No doce desafio de querer-te.
Tu, que a minha alma já dominas
Vivo cheio de medo de perder-te !

São Paulo, 24/06/2013
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com



Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema

...de um poeta

...de um poeta


O poeta revela ao mundo
Sem mundo e sua ilusão,
E nesse contexto profundo
Abre-lhe o seu coração.

O poeta não tem segredos
É espontâneo e altivo
Sua alma não tem medos
É loquaz, interativo

Tem uma visão apurada
Das coisas circunstanciais
Tem a mente equilibrada
Fonte das matriciais;

A simbiose do poeta
Simboliza amor e paz,
Se das letras, é um profeta
De espírito, é perspicaz !

São Paulo, 24/06/2013
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com


Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema


terça-feira, 19 de abril de 2016

Aquarelas destoadas

Aquarelas destoadas


Nas memórias da distância em que vivi
Guardei alimentadas as esperanças,
Mesmo rasgados os destroços que senti,
Encontro neles, ainda, vastas lembranças

Mistérios de aquarelas destoadas
Dormem em minha alma livremente
Surgidas de um sonho desgarradas
Das telas de um pintor, certamente

São saudades que queimam lentamente
P’las sombras da memória devoradas,
Como perdida no deserto a semente

Lá, morrerá por certo, recalcada
Queimada, como a saudade, lentamente,
A semente de um amor, imaculada !

São Paulo, 18/04/2016 (data da criação)
Armando A. C. Garcia 

Visite meus blogs: 
http://brisadapoesia.blogspot.com 
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com 

Direitos autorais registrados 
Mantenha a autoria do poema

domingo, 3 de abril de 2016

Não há alegria maior

Não há alegria maior


Não há alegria maior
Do que a mãe que tem um filho
É uma ventura tão grande
Que transcende o emocional

A mãe com todo o desvelo
Cuida dele a vida inteira
Se adoece, é um pesadelo
Roga a Deus e à padroeira

Sem limite a pertinência,
Nos fortes braços acolhe
A dor com ambivalência
E no coração a recolhe !     

Preocupada e vigilante
Em situação delicada
Sua luta é constante
Nunca se mostra cansada

Sua vida, é iluminada
Pelo dom de criadora
De ser mãe e dedicada
Nesta divina aurora !

São Paulo, 03/04/2016 (data da criação)            
Armando A. C. Garcia 
 
Visite meus Blogs: 
http://brisadapoesia.blogspot.com 
http://preludiodesonetos.blogspot.com               http://criancaspoesias.blogspot.com                  

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema

O escultor do amor !...

O escultor do amor !...


Eu quero esculpir nestas letras
Um lindo poema de amor
E com tintas azuis ou pretas
Demonstrar todo esplendor.

Muito já se tem falado
Sobre o amor e amizade
O primeiro é eternizado
O segundo é felicidade,

Sentimento de afeição
E de carinho também,
Ternura no coração
Quando se quer bem alguém.

É um apego tão profundo
De entusiasmo e prazer
Que quero crer neste mundo
Outro igual, não deva haver

São Paulo, 02/04/2016 (data da criação)            
Armando A. C. Garcia 
 
Visite meus Blogs: 
http://brisadapoesia.blogspot.com 
http://preludiodesonetos.blogspot.com               http://criancaspoesias.blogspot.com
                                                                               
Direitos autorais registrados 

Mantenha a autoria do poema

sexta-feira, 1 de abril de 2016

O povo que produz !...

O povo que produz !...


O povo que produz, é aquele que paga a conta
Do Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida
Do MST; que as terras produtivas afronta
Aos quais, o governo em troca de apoio dá guarida.

Assim, todos eles têm sua vantagem auferida
Os da Bolsa Família, embora seja pouco, é muito
Pois ali, encontram mensalmente acolhida
A despesa do arroz e do feijão, nesse intuito,

Não precisam mais de trabalhar com afinco.
Os de Minha Casa Minha Vida, no mesmo patamar
Vão deixando para trás o barracão de zinco
Sem precisar mais, tanto co'a vida se preocupar.

Os privilegiados MST, os finalmente contemplados
Recebem assim, de um, a quatro alqueires de terra
Na média, de cinquenta a cem mil o alqueire, legados;
Qualquer um de nós, pode-se abrigar aos sem terra.

Vez que o quinhão, além de apetitoso é agradável
A grande maioria, é trabalhador, não é agricultor
Mas candidato a um lote de valor considerável,
Assim, qualquer um, é candidato promissor

A seguir a estrela do PT, ante o pecaminoso teor
De projetar sua vida no ostracismo sem medo
De enfrentar a luta árdua, vez que sem suor,
Alcançou seu objetivo, sem ter de madrugar tão cedo 

São Paulo, 01/04/2016 (data da criação)           
Armando A. C. Garcia

Visite meus Blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com                                        http://criancaspoesias.blogspot.com    
                                                                                                                                          
Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema