Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quarta-feira, 30 de maio de 2018

De manhã,


De manhã,


O sol, rasga as trevas de manhã
Iluminando prados e outeiros,
Vejo ela passar alegre e louçã
Do outro lado da rua, sinto os cheiros

Que exalam de seu corpo escultural.
Assim, seu encanto, cresceu em mim.
O amor e a afeição é natural,
Sua figura, é a flor do meu jardim !

Ninguém faz minguar ou perecer
Este amor que sinto só em vê-la
É um amor difícil de entender

Mas não há quem liberte isso de mim
Para tanto, terei de convencê-la
De que ela, é a flor do meu jardim !

São Paulo, 30/05/2018 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Trivialidade


Trivialidade


Envelheci, e sem sentir na vida
Os dias passaram tão devagar,
Divaguei com eles, nessa ermida
Orei, pra embarcação não adernar

As horas passam, devagar e vazias
Acolhem os dias as madrugadas
Nas manhãs surgem as nostalgias
Onde as esperanças são sufocadas !

Aos avessos dias caliginosos
Que vivi em completa nostalgia
Houve momentos de sois radiosos

Em que ninguém se sente envelhecer
E nesse quadro de sintomatologia
Ao Deus Supremo eu devo agradecer

São Paulo, 28/05/2018 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

O lastro


O lastro


O lastro, que lastreava minha veia
Parece que se extinguiu, evaporou
Não sinto mais o norte, que norteia
Parece sumida, a veia que parou

Ou eu, já disse tudo que podia
Ou já, nada tenho para dizer
Sinto nisso uma grande nostalgia
Ou quem sabe, estou perto de morrer

Morre-se aos poucos, devagarinho
Deixamos esta vida lentamente,
Tropeçamos nos rumos do caminho

Vamos perdendo dia após dia
A existência.  E eternamente
A morte, é o mal que nos vigia !

São Paulo, 23/04/2018 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com 

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema 

Restos


Restos


Eis aqui os restos, daquilo que restou
Insanos, deste deserto de idéias
Restos de esperança que um dia sonhou
De pesadelos, lembrados nesta odisséia

Restos de saudade dum amor eterno
Maltratado, abrigado pela solidão
Hoje farrapo de gente, é o inverno,
Se antepondo ao sol doutro verão

Eis os restos desumanos estirados
E na rua da ilusão compendiados
Pretensões de desejos, sem lampejos

Pedaço de excremento, são os restos
Do que restou do último protesto
Do derradeiro querer de meus desejos !

São Paulo, 09-03-2018 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Delicada


Delicada


A noite é tão delicada
Como uma prece sem fim
Convida a pessoa amada
A entrar nesse jardim.

Por mais um dia de vida
Numa noite de saudade
À noite, a paz nos convida
A pensar na eternidade

É nas loucuras da vida
Que o tempo nos faz pensar
E a alma arrependida
Não sabe renunciar

Não olhe para o passado
Que a tempestade passou
O futuro está a seu lado
Se o presente aportou.

São Paulo, 16-05-2018 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do
poema 

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Gelada solidão


Gelada solidão


Nesta gelada solidão
Que vive o meu coração
Não há sol, nem esperança
Perdido pela lembrança,

Dos dias em que vivi
Junto, e ao lado de ti.
Era feliz e não sabia
Hoje, perambulo o dia

Sonhando poder voltar
Mas não te posso alcançar,
Estás mui longe de mim
Mas eu espero, mesmo assim !

Nesta gelada solidão
Que vive o meu coração
Sem teu amor, há tristeza
E o mundo perde a beleza

Trás de volta o teu amor
Tu és meu sol, meu calor
Tira-me desta solidão
Alegra o meu coração.

Tirar-me desta geleira
É só transpores a barreira
De teu orgulho pessoal,
E terás, um amor imortal !

São Paulo, 27/04/2018 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Escondido nos escombros

Escondido nos escombros


Escondido nos escombros
Das ruinas de meu ser
Carrego sobre meus ombros
O fardo do meu viver

É o verdadeiro retrato
Daquele que já viveu,
O resumo, a síntese, o extrato,
Ao que lutou, é troféu !

São Paulo 14/02/2018 (data da criação)           
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com 
Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema