Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

No jardim...

No jardim...

Parecia que eu tinha amor
O mais profundo da vida
Eras para mim uma flor
No jardim de minha vida

Esperança do meu futuro
Pra minhas lágrimas secar
Mas como fui imaturo,
Em poder-te acreditar.

As lágrimas qu’hoje derramo
São as de meu coração
Que chora por que te amo
Mesmo em conspiração

A esperança que previa
Desfez-se qual vendaval
- Nem a tua companhia
Tive como artesanal,

Enfim, estou só no caminho
Que tenho a percorrer
Sem amor e sem carinho
Da que foi minha mulher

No mundo celestial
Encontrarei o carinho
Que de ti, foi condicional
Ao afastar-me do ninho

Tu foste a linda princesa
Dona do meu coração,
Te cansaste, e com certeza
Incrustaste a ilusão !

São Paulo, 01-10-2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

Entre nós tudo acabou

Entre nós tudo acabou


Nosso tormento, já se acabou
Hoje, tu és livre, e eu, também sou
Eu não ouço mais o teu lamento,
Tu, também... não ouves meu alento!

Eu, não era o homem que almejavas
Nem tu, a mulher que eu imaginava,
Ambos erramos nossos pensamentos
Daí, punir o erro daqueles momentos.

Desfez-se para sempre o louco intento
Não tive de ti o fiel merecimento
Se algum raio de razão cabe no peito
Por teu carisma, agora é desfeito.

Destarte, conheci o fim de meu fado
E a falsidade de teu doce agrado 
Sei que são quimeras os bens do mundo
Vi, tua vã figura, nesse amor infecundo!

São Paulo, 21/09/2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 


Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

A Primavera – II

A Primavera – II



Vede como é bela a primavera florida
Árvores frutíferas, campos verdejantes
Vede como é belo, o primeiro amor da vida
Estampa-se a alegria, nos rostos radiantes

A primavera, vestiu sua túnica florescida
Para cobrir de graça a alegria esplendorosa
O nascer e o pôr do sol, a manhã garrida
Tornando a vida neste mundo cor de rosa

Houve-se o murmúrio das águas no riacho
Num arroubo prazeroso tudo em festa
Encanto, ostentação, luz e claridade

Na quietude mansa do prado e da floresta
As aves buscam acasalar com seus machos
Florescem as rosas, tudo é fertilidade !

Porangaba, 21/09/2012 (data da criação)
Armando A. C. Garcia


Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

A PRIMAVERA

A PRIMAVERA 


Ficam floridas as amendoeiras
As árvores se cobrem com novas folhas
A natureza recupera o esplendor   
Após dias tenebrosos de escuro inverno
A vida se aquece, enfeita a natureza
Engalanada no perfume da flor

É a festa da perpetuação da vida
Renovação que os olhares procuram
Na alegria do renascer das flores
No gorjeio que o júbilo convida
Os casais de passarinhos, que se arrulham
Exprimindo com doçura seus amores

A primavera é a estação do amor
Quando desabrocham os brincos de princesa,
Os agapantos, lírios e as margaridas,                                 
As hortênsias, e as violetas multicor
O jasmim, e a dama da noite, com certeza,
Perfumará as flores mais coloridas

Os jardins de azaléias, e gardênias
Gérberas, ciclones e prímulas,
Hibiscos, centáureas e amores perfeitos
Florescidos, cercados de estefânias
Com purpúreas flores pêndulas
Sobre o jardim que se chama primavera !

São Paulo, 06/09/2006 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
   
Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

terça-feira, 19 de setembro de 2017

A Corrupção

A Corrupção


Corrupção é despotismo brutal,
À mercê dos grilhões da Liberdade
Que traz no seu influxo deslealdade
Ao pendão e à glória nacional .

Oculta o amor pátrio, torce a verdade
Dela, não raia a prima exatidão
À ética, à salutar administração
Normas constitutivas da lealdade.

O que disfarça, dissimula e finge                 
É a ignomínia, a grande desonra
Daquele a quem o mau poder atinge,

É um monstro fabuloso, uma esfinge,
Uma criatura desprovida de honra,
É um falsário, que mal a lei o atinge !


São Paulo, 19/09/2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 


Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

domingo, 3 de setembro de 2017

Cetíneas bocas

Cetíneas bocas


Inocentes sonhos, lindas fantasias
Lampejos esculpidos em devaneios
Quimeras  utópicas, mil alegrias
Delírios incontidos, mil anseios

Cetíneas bocas, por momentos minhas
Onde andais caladas; nem dais sinais
Fazeis verão, igual às andorinhas...
Só que elas voltam. Mas vós, não voltais

Os quentes beijos jamais poderei esquecer
Hei-de morrer sonhando feliz, contente
Ao sentir vosso calor se desprender

Nesta saudade viva, permanente
Onde outrora no seu enrubescer
Juravam amar-me eternamente !

São Paulo, 03-09-2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema

Carinhosa Mãe

Carinhosa Mãe


Carinhosamente me embalaste
Em teu colo, mãezinha querida
Fui cruel e tu nunca te enfadaste
Sempre presente em toda minha vida

Eras dócil na meiguice e ternura
Jóia rara de matéria preciosa
Tu, foste no mundo, a nova aurora,
Criatura piedosa e corajosa.

Do modo mais natural teu caminho,
P’la vida passageira e apressada,
Nunca deixaste de me dar carinho.

Mesmo nas horas de ressentimento,
A ti devo a vigia das madrugadas
Quando moço, buscava divertimento

São Paulo, 03-09-2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema

sábado, 2 de setembro de 2017

No útero do pensamento

No útero do pensamento

Este mal que atormenta
A minha concepção,
A entrada dos oitenta
É chaga no coração.

São abstrações criadas
No útero do pensamento
E nos moldes baseadas
No mais puro sentimento

Ponto de vista, opinião
Noção, idéia, conceito
Carácter, índole, razão
Que se carrega no peito

Com coragem e emoção
Energia, desprendimento
Onda que toca o coração
Substância do elemento

Altruísmo, abnegação
Como a própria natureza
São forças do  coração
Da criatura, a grandeza !

São Paulo, 02-09-2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema

terça-feira, 15 de agosto de 2017

No deserto das idéias

No deserto das idéias


No deserto das idéias, trago exausta
A minha efêmera coerência de vida,
No nervosismo duma ironia infausta
Na languidez de meu rosto estendida.

Na *abstrusa confusão de sentimentos
Julgo ouvir toda a mágoa do mundo,
São pueris, porém meus conhecimentos
Para aquilatar um brilho tão profundo.

Alucinações que pululam em minha mente
Que tateando nas trevas se encompridam
Qual o rastejar da cauda duma serpente

No deserto d’idéias, de **anômala visão
No sentido da vista, sem que transgridam
Deste mundo o real, e sua concepção !
                                                                *complexa´
                                                                                                                         **anormal
São Paulo, 15/08/2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 


Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

sábado, 12 de agosto de 2017

SER PAI

SER PAI  (replay)


É uma solene missão
Árdua, tarefa dura
Que Deus dá à criatura
Num rosário de paixão

É uma fonte de esperança
Que consola o coração
Como se fora uma benção
Uma bem-aventurança

É a argila que se molda
Nem sempre a nosso prazer.
Pois querer. Não é puder,
Nem sempre o barro se amolda !

Ser pai é fé que sublima
Altar de luz e tormenta
É paixão que impacienta
É um sonho que arrima.

É esperança que consola
É um sol que irradia
A estrada áspera e fria
E faz do ninho uma escola.

Não vê maldade em quem ama
Tem amor sempre de sobra...
Pelo filho se desdobra
Se preciso, pisa a lama.

É um clarão de alegria...
A nova estrada do mundo
É o amor mais profundo
Estrela... que o filho guia.

São Paulo, 06/08/2004 
(data da criação)

Armando A. C. Garcia



Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Parece difícil viver

Parece difícil viver


Parece difícil viver
Neste mundo de ilusão
O mais difícil é não ter
O amor no coração

Deveria haver no mundo
Sentimento e devoção,
E no amor mais profundo
Confiança e veneração

Então, mais fácil seria
Haver a compreensão
Cada qual, seu pão colhia
Com entusiasmo e afeição

Se sempre azul fosse o céu
Por certo não choveria.
Minha saudade morreu
Na noite daquele dia;

As horas passam lentamente
Os dias demoram mais
Os anos naturalmente,
No tempo são desiguais .

São Paulo 11/08/2017 (data da criação)        
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
   
Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema

Sofrido coração !

Sofrido coração !


Em meu peito há um coração que pulsa
E sonha por teu amor, a vida inteira,
Sem sentir que há em ti uma repulsa
Acaba-se perdendo na estribeira...

Pena essa aflição que o domina
Martírio involuntário do querer,
O pobre coração não descortina
Que em ti, ele, somente vai sofrer.

Meu olhar, vê um futuro vazio
E nesse plangor de lamentação
Em meu peito... sofrido silêncio.

Na paixão que por ti a vida inteira
Sentiu este pobre, sofrido coração. 
Amar-te assim, creio que foi asneira !

São Paulo 11/08/2017 (data da criação)        
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
   
Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema