Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

terça-feira, 17 de abril de 2012

TROVAS (dezessete) -17-04-2012


TROVAS (dezessete) -17-04-2012

Afastado do caminho
Das regras do bom viver
Rouba coisas do vizinho
Não pensa em se converter

=================
Se o mundo fosse perfeito
Não existiriam mazelas
Se tudo fosse direito
Que seria das sovelas

=================
Nesta selva de animais
Cada um faz o que quer
As regras são desiguais
Pra cumprir o seu dever

=================
Já fui manso cordeirinho
Já urrei como leão
Agora que estou velhinho
Sou um trapo em tua mão

=================
Quem tudo quer nesta vida
Nada leva pro além,
A bagagem proibida,
Nesta terra se detém

=================
No mundo da hipocrisia
O fingimento é total,
Vai da infame vilania
Ao desregramento moral

=================
Tem gente que nesta vida
Passa o tempo ao deus-dará
Na velhice, arrependida
Ser jovem, desejará

=================
Para não sentir saudades.
Fechei o meu coração
Nas minhas leviandades
Fiz explodir um vulcão

=================
Saudade, é água que passa
E volta de novo a passar
Dor que o coração trespassa
Se ela for do verbo amar

=================
Bate forte o coração
Sinto dele o palpitar
Quando a voz da paixão
Está-me a assediar

=================
Viver é doce magia
Se a alegria nos compraz
Cultuando o dia a dia
De tudo, somos capaz

=================
A vida é uma surpresa,
A cada dia que passa
Aos ricos, o pão na mesa
Aos pobres, só a desgraça

=================
Nas agruras desta vida
Por maus bocados passei
A volta foi atrevida
Pra chegar, onde cheguei

=================
Tu, és a luz da esperança
Esperança que não tem fim
Tu, és a luz da bonança
Nesse celeste jardim

=================
De viver em desamor,
Na vida já me cansei
Eu espinho, tu a flor
Agora a ti me entreguei

=================
Cansada de me amar,
Jogaste-me na fogueira
E as cinzas, foste buscar
Pra arear a cafeteira

=================
A tua delicadeza
Na verdade, não condiz
Com essa vil esperteza
Duma mulher meretriz

São Paulo, 17-04-2012

Armando A. C. Garcia

Nenhum comentário:

Postar um comentário