Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

TROVAS – 27-08-2012


TROVAS – 27-08-2012

Eu, amei-te absurdamente
Tu, absurdamente ignoraste
Hoje, queres-me incondicionalmente
Eu, passo por ti indiferente
-------------------------------
Eu, que passei minha vida
Sempre esperando por ti
Vejo-te agora arrependida
Tenho pena, do que senti
-------------------------------
Dizem por aí que o poeta
É um demente em confusão
Diz, o que lhe vem na veneta
Não escuta o coração.
-------------------------------
Eu amei a vida inteira
Quem amar nunca me quis
Nasce a uva da videira,
A água do chafariz
--------------------------------
Pulverizei de amor
A alma e coração
Assim, saí vencedor
Auferi tua afeição
--------------------------------
Teve um gênio colossal
Que este mundo elaborou
Criou o mundo animal
No espaço, o sol fixou.

Sua obra e conjuntura
É de arquiteto, sem igual
Sua flora é uma pintura
Tudo é lindo, natural.
------------------------------
Nos restos, insignificantes
Às vezes está o melhor
Sai do cascalho o brilhante
Que lapidado tem valor


São Paulo, 27-08-2012
Armando A. C. Garcia

Nenhum comentário:

Postar um comentário