Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

sexta-feira, 29 de abril de 2022

Na palma de tua mão !

Na palma de tua mão !

 

Sem saber o que dizer,

Na frente do computador

Começo por escrever

Uma palavra “AMOR”

 

O amor é singular

No coração de quem ama

Pode-te contemplar

Sem pressa, ou azáfama

 

O amor, é fogo é chama

Calor que o peito incendeia

Por vezes, lacônico e drama

Quando invés, de amar odeia

 

É um sentimento profundo

Gerado no coração

É uma magia, é um mundo

De carinho, em evolução

 

Momentos de inspiração

De ternura e acalanto

Almiscarada efusão

De olores e de encanto

 

Qual desabrochar da flor

Profusão de alegrias

Um mundo cheio de amor

Sem que haja fantasias

 

Imensidão do infinito,

E nessa doce ilusão

Meu desejo é contrito

Na palma da tua mão !

 

29/04/ 2022 (data da criação)
Armando A. C. Garcia


Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

quinta-feira, 28 de abril de 2022

Explicações ao Supremo

Explicações ao Supremo

 

O Supremo está querendo explicações

Do Presidente da República sobre o perdão

Concedido ao Deputado Daniel Silveira

Olvidando o inciso XII, do artigo 84, da C.F.

 

Ser prerrogativa exclusiva e intransferível

Do Presidente da República na sua atuação.

Tecer explicações ao Supremo, inconcebível

Desnecessário, pois dar-lhe satisfação

 

O Supremo está invertendo polaridades

Dando ares de estar acima do Presidente

Não respeita a legislação, nem acuidades

Na imaginação metafórica imprudente

 

26/04/ 2022 (data da criação)
Armando A. C. Garcia


Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

O descontente !

O descontente !

 

Se caminhas descontente

No caminho que Deus deu

Olha lá, que à tua frente

Tem bastante plebeu

 

Não maldigas o caminho

Nem culpes o Criador

A ave faz o seu ninho

Com carinho e amor

 

Sê como ela na vida

Exemplo de perfeição

Tua jornada sofrida

Será de amor no coração

 

Deus te mostrou o caminho

Pra trilhar com retidão

Cabe a ti, ser como o linho

Ter a alvura dum cristão !

 

26/04/ 2022 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

domingo, 17 de abril de 2022

Efeitos da guerra na Ucrânia

Efeitos da guerra na Ucrânia

 

Em vez de trazer paz ao mundo

Ele nos trouxe, foi a guerra

Nosso sentimento profundo

Pelo mal, que ela encerra

 

Perante os céus responderá

Pelas mortes que causou

Não adianta seu blá blá

Nem alegar, que se enganou

 

Não é uma nuvem passageira

É uma tragédia real

Transformou a vida inteira

Dum país e sua Capital

 

O mundo assiste calado

A essa grande atrocidade

Seu povo, é degredado

A perambular sem destino

 

Suas casas viraram pó

São ruínas acopladas

Todas cidades... dão dó !

Pois estão espatifadas

 

Dos invasores narrativas

Como quem quer a razão

Mas as suas investidas

Demonstram sua ambição

 

Já anexou a Crimeia

À vil Federação Russa

Vira, meche, e serpenteia

Sem assentar a carapuça

 

Sua ambição desmedida

É anexar nações, destarte

Que da União Soviética

Em tempos fizeram parte

 

Têm um ar de fantasia

As imoderadas pretensões

Descomedida afasia

De anexar mais nações

 

Tem gente morrendo de fome

Falta pão, seca é a fonte

Esta luta, tudo consome

É desigual, no horizonte

 

No calor dessas batalhas

Matam civis e crianças

No meio dessas mortalhas

A guerra não para. Avança

 

Nesse cenário de guerra

Ucrânia não tenha medo

Ao invasor de sua terra

Na batalha, use torpedo

 

Afinal, um já afundou

A outros o mesmo destino

O mundo se abismou,

No fadário desse cretino !

 

Putin, nutria por ti

Uma certa consideração

Mas depois desta guerra

Sinto é comiseração !

 

Sei para ti indiferente

Mas se o mundo te odiar

Não serás, certamente

Feliz em teu patamar !

 

16/04/ 2022 (data da criação)
Armando A. C. Garcia


Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

sexta-feira, 15 de abril de 2022

Hipocrisia Pura !

Hipocrisia Pura !


Não sei mencionar qual dos dois afetou

Mais o sentimento da noção. que não têm.

Porque ambos no passado eram desafetos

Como podem agora dizer que mantêm

 

Idênticos sentimentos em relação

A questões de ordem pública e social

Política esta, respeitante à direção

Do comando da República Nacional

 

Suas palavras não podem expressar

Os sentimentos de seus corações

‘ Dualidade de intenções antagônicas

Não podem ter escopos de concisões

 

Na imanência que transcende a relação

Abjeta se manifesta e permeia o abstrato

Sentimento das ideias, que opostas o são

Resultado dessa tal união, eis o retrato

 

No meio de atitudes esdrúxulas, nós vivemos

Num mundo de mentiras e falsidades

Pura ficção, fingidos amores nós vemos   

Transparentes, sem mistérios, e inverdades

 

Considerando o que nós vemos, finalmente

Em relação à essência que transcende

Dessa união de sentimentos antagônicos

Aos interesses da política, o coração se vende !

 

14/04/ 2022 (data da criação)
Armando A. C. Garcia


Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

segunda-feira, 11 de abril de 2022

O Silêncio

O Silêncio


Palavras que nada dizem
No silêncio se consomem
Mágoas cítricas predizem
Os túrgidos frutos do homem

Calar, supremo valor
Num mar de ondas sem rumo
Quem cala, tem bom alvor,
Os vitupérios, são fumo !

Lodos se arrastam, responde...
-Bem ao fundo do armário
Ond’o anonimato esconde
As penas do seu calvário

Em vez de usar mordaça
Pra puder ficar calado
Age como cão sem raça
No seu latir enjaulado

A cacimba pantanosa
Fétida água recolhe
A cisterna, mais airosa
Só a límpida acolhe

Ao fosso do teu silêncio
Recolhe orgulhosa ira
Não te chamas Inocêncio
Nem te faças de caipira !

São Paulo, 25 /02/ 2014 (data da criação)
Armando A. C. Garcia


Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

 

 

O teu silêncio

O teu silêncio

 

O teu silêncio,
permanente, profundo...
Cripta minha razão
Meu entendimento
Gira minha cabeça...
Tira-me o sono
Gela meu sangue
Maltrata,
Corrói, dói !

Tua ausência
Impaciência...
Tua impertinência !
Quando falta a esperança
Dói! Como dói...

E neste caminhar silencial
Vejo horas passar
Fazendo os dias
E a noite chegar,
longa, vazia...
Mas Tu, silencias
Minha impaciência
Tua impertinência.

Ausência
Desistência...
Solidão, paixão!
Desencanto
Pranto.

E assim caindo,
Caindo vão,
Uma... após uma...
As palavras de carinho
de amor e afeto !
Desafeto talvez

E assim caem...
Todas de uma só vez
Todas caindo, cada vez mais
Teu silêncio
Afastamento...
Esquecimento!
Pobre paixão!


Se não é vírus...
É virose -
Medo !
Ilusão !
Diz ao menos o porquê
Qual a razão...
...Que foi então?...

SP 21/11/2004
Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

 

O teu silêncio,
permanente, profundo...
Cripta minha razão
Meu entendimento
Gira minha cabeça...
Tira-me o sono
Gela meu sangue
Maltrata,
Corrói, dói !

Tua ausência
Impaciência...
Tua impertinência !
Quando falta a esperança
Dói! Como dói...

E neste caminhar silencial
Vejo horas passar
Fazendo os dias
E a noite chegar,
longa, vazia...
Mas Tu, silencias
Minha impaciência
Tua impertinência.

Ausência
Desistência...
Solidão, paixão!
Desencanto
Pranto.

E assim caindo,
Caindo vão,
Uma... após uma...
As palavras de carinho
de amor e afeto !
Desafeto talvez

E assim caem...
Todas de uma só vez
Todas caindo, cada vez mais
Teu silêncio
Afastamento...
Esquecimento!
Pobre paixão!


Se não é vírus...
É virose -
Medo !
Ilusão !
Diz ao menos o porquê
Qual a razão...
...Que foi então?...

SP 21/11/2004
Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

domingo, 3 de abril de 2022

Cai o Sol, a noite é escura

Cai o Sol, a noite é escura

 

Cai o Sol, a noite é escura

Que brilhe o Sol nas veredas

Que seja teu coração,

Alma leve, como as sedas

 

Controla os torvelinhos

Que surgem sem esperar

É precioso o teu ninho

Não deixes o Sol se apagar

 

A Luz que emana de Deus

Tem um brilho salutar

Não deixes que sonhos teus

Te impeçam de brilhar

 

Vai vencendo o escuro

No bastão em que te escoras

Nunca fique inseguro

Co’as lágrimas que hoje choras

 

Nos tropeços do caminho

Ajudando teu irmão

Suprime-lhe o espinho

Que tange o seu coração

 

Não esmoreças na luta

Que há entre o bem e o mal

Suporta a injusta conduta

Do semelhante imoral !

 

São Paulo, 03/04/2022
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema –Pode compartilhar