Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2023

Na volúpia do pecado

Na volúpia do pecado

 

Sua alma amortalhada

Nas teias do triste fado

Corre sangue na parada

Da volúpia do pecado

 

Não enxergava a verdade

Nem via nisso maldade

Agora... tem piedade

Das coisas da tenra idade

 

Caminhou sem ver a luz

Nas arenas do destino.

Perdoa-lhe o Bom Jesus

Todo aquele desatino

 

Cantando o fado levou

Sua vida sem velar

Nem por amor me casou

Junto à pedra do altar

 

C’ as guitarras trinando

Os dias foram passando

Com eles os anos a fio

Nas cordas do seu desvio

 

Neste livre pensamento

Trina nele, o seu lamento

Que envenenar persiste

O algo bom, qu’inda existe

 

Neste louco desatino

Carga do próprio destino.

Pergunto qual a razão

De falta de comiseração

Para quem sofre na vida

Dor atroz, da despedida

Suspirando nos anais

Tormentos tão desiguais

 

Com sua alma sentida

Pelos agrores da partida

Num sentimento tão triste

Da dor que na alma existe

 

Num sentimento ignoto

Na escala dum terremoto

Elevado ao grau maior

O estrago; é superior !

 

Vejam o estrago que faz

Nem há amor, nem há paz

Se a volúpia exagerada

Por bem, não for dominada

 

E se ainda for capaz

Do tombo que o compraz

De erguer a fronte à vida

Terá a alma evoluída !

 

Entretanto, se assim não for

Pode esperar o pior

Será do fado, a vítima

A recompensa legítima.

 

São Paulo, 07/10/2013 (dará da criação)

Armando A. C. Garcia

 

Visite meus Blogs: 
http://brisadapoesia.blogspot.com 
http://preludiodesonetos.blogspot.com              

http://criancaspoesias.blogspot.com
                                                                            

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

Meu Deus,

Meu Deus,

 

Não sou digno de bater à tua porta

Só Tu sabes dos gemidos de tristeza

Do grande infortúnio, que ninguém conforta

Não me detenhas, na porta da incerteza

 

Deixa entrar, no lindo asilo tutelar

De Teu palácio de amor e carinho

Para a alma finalmente descansar

De tão árduo e escabroso caminho

 

A senda foi penosa, estranha e dura

Cheia de angústias e desencantos cruéis

Sem Tua estrela, a noite era mais escura

E a esperança, semimorta. Bem o sabeis !

 

A aspereza da angústia e da amargura

Alivia-a Oh! Deus com a gota universal

De Tua tutelar e sublime ventura

Que irradia a Tua amplidão Divinal.

 

Estende a Tua mão de eterna Aurora

Aqueles que exultam Tua paz e amor

Dá-lhes Senhor Tua luz que resplendora

E estanca o sofrimento de quem chora !

 

São Paulo, 20/05/2014  (data da criação)

Armando A. C. Garcia 

 

Visite meus Blogs: 
http://brisadapoesia.blogspot.com 
http://preludiodesonetos.blogspot.com              

http://criancaspoesias.blogspot.com
                                                                            

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

Meu Anjo !

Meu Anjo !

 

Foi Deus que pôs você no meu caminho

Qual fogo que inflama a lenha e me aquece

Sublime tua guarda e teu carinho

Tua mão me susteve e me engrandece

 

Alargaste horizontes em minha mente

Que alegraram meu coração e minha vida

Meu Anjo, honra-me eternamente

Não deixes que eu me curve à fantasia

 

Guia-me a verdes pastos e águas mansas

Onde habitarei na casa do Senhor

Cantarei louvores de amor e esperança

À glória de Deus, ao Grande Criador

 

Escuta minha voz, ouve meu clamor

Livra-me de abismos e de injustiças

Meu Anjo, intercede ao teu Senhor

Que afaste de mim invejas e cobiças

 

Minha alma se sustenta em ti, ó Deus!

Tu és meu Rei, a Glória, a Majestade

Meu refúgio, a fortaleza nos céus

A mansidão, a justiça e a verdade

 

Tu, que criaste a terra, o céu e o mar

Deus poderoso de perfeição e amor

Não deixes nunca a esperança acabar

No que crê, com pensamento interior

 

E confia na tua misericórdia

E em tua glória sobre toda a terra

Afasta-o da víbora da discórdia

Tu, és a esperança que sua alma encerra

 

Bendito sejas, ó Anjo que iluminas              

Meus passos nas sendas desta vida              

Bendito sejas, ó Anjo que me ensinas        

A abrir o coração e dar guarida               

 

São Paulo, 15/09/2008

Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs: 

http://brisadapoesia.blogspot.com 

http://criancaspoesias.blogspot.com 

http://preludiodesonetos.blogspot.com 

 

Direitos autorais registrados 

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

Louvei a Deus !

Louvei a Deus !

 

Pedi a Deus que me desse

Um minuto de atenção

Para que assim eu pudesse

Abrir-lhe o meu coração

 

Deus consentiu no pedido

Louvei-o cheio de amor

E pelo tempo perdido,

Supliquei da imensa dor

 

As trevas, a escuridão

Rasguei, com seu esplendor

Agora é só mansidão

Paz, harmonia e amor

 

Outra janela se abriu

Para um mundo melhor

Foi roseira que floriu

No jardim do Criador !

 

Horizontes sem fronteiras

Neste universo sem fim

Desfraldando as bandeiras

Anjos tocando o clarim.

 

Louvo-te, com alma em brasa

E com fervor no coração

Senhor! Honra a minha casa

No mundo, toda nação

 

Que haja equilíbrio e paz

Mais amor, ponderação

Que o povo seja capaz

De viver sem confusão.

 

São Paulo, 15/07/2013 (data da criação)

Armando A. C. Garcia

 

Visite meus Blogs: 
http://brisadapoesia.blogspot.com 
http://preludiodesonetos.blogspot.com              

http://criancaspoesias.blogspot.com
                                                                            

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

Liberta meu coração !

Liberta meu coração !

 

Liberta meu coração

Das garras da iniquidade

Abre as portas da razão

Da luz e da claridade

 

Tu, és o Rei da glória

Da providência Divina

Guia minha trajetória,

Com Teu farol a ilumina

 

Liberta meu coração

Da maldade e injustiça

Pois está em Tua mão

A vitória desta liça

 

Só Tu, ó Rei do universo

Tens o poder e o domínio

De afastar o adverso,

Mau-olhado e o fascínio

 

Liberta meu coração

Dá-lhe entendimento e paz

Está em Ti a coesão

Duma harmonia eficaz

 

Ó Deus de infinito amor

Em Tuas mãos meu destino

Eu coloco com fervor

E de Jesus, o Palestino

 

São Paulo, 16/04/2014 (data da criação)

Armando A. C. Garcia

 

Visite meus Blogs: 
http://brisadapoesia.blogspot.com 
http://preludiodesonetos.blogspot.com              

http://criancaspoesias.blogspot.com
                                                                            

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

JESUS !

 

JESUS !


Jogou-se em nossos braços
Quando se imolou na cruz
Guia agora nossos passos
Ó meu bondoso Jesus!

Sê a luz brilhante e bela
A iluminar nosso dia
Sendo sol, és a estrela
Que a humanidade confia.

Estende a mão ao aflito
Socorre de lar em lar
Seu poder é infinito
Soube até nos perdoar

Ó Jesus, faze brilhar
Nos corações desgraçados
Com teu compassivo olhar
Deixa-os purificados

Abençoa-nos Senhor
Nos tropeços do caminho
Tu, és o Cristo Redentor
Chega de pranto e escarninho

Tu és a flor que perfuma
Bálsamo suave da alma
Tu és a vida, em suma
Que a dor suaviza e acalma

Tu és a esperança da vida
O luzir do firmamento
Tu és o Rei, a guarida
Dissipas o sofrimento !

És a paz, a luz, a esperança
Feliz caminho do bem
És a bem-aventurança
Sublime aurora, amém !

São Paulo, 25/02/2008 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs: 

http://brisadapoesia.blogspot.com 

http://criancaspoesias.blogspot.com 

http://preludiodesonetos.blogspot.com 

 

Direitos autorais registrados 

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

Jesus, semeou o amor

Jesus, semeou o amor

 

Em sua passagem pela terra,

Jesus, semeou nela o amor

Aquele que aqui vive, só erra,

Ao desviar-se do semeador

 

Ele, é a luz de cada dia

Eterna lembrança do porvir

É a esperança da maioria

Que um dia, todos vão seguir

 

É a estrela na noite escura,

E seu luzir no firmamento

Na noite densa d’amargura

Aplaca a fúria do tormento

 

É o sol que rasga a escuridão

Apoio nos seixos do caminho

A luz da glória é a ascensão

Redenção do mundo em desalinho

 

Glorificado seja o seu carinho

Pra com o homem e a natureza

A ave aprendeu a fazer ninho

O homem, a veste e a mesa

 

Se por justiça, milhões clamam

Outros tantos, pelo desamor

São pobres, aqueles que não amam

Sua incúria, transforma-se em dor

 

São Paulo, 18/10/2012 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com 

 

Direitos autorais registrados
Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar