Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

O idoso...



O idoso...




A matéria já está debilitada

O tempo o fez envelhecer

Ao clamor de tantas madrugadas

Perdeu a vontade de viver



De repente, fica mudo a cismar

Quando dará seu último suspiro

Está sendo difícil suportar

O ar ambiental que respira



Se a vida já é amargurada

Como pode, frágil enfrentar

Quem sempre viveu nesta jornada

Cheio de viço, ora, a agonizar



Era risonho, era prazenteiro

Enfrentava a dura caminhada

Lutava bravo em busca do dinheiro

Que fosse compensar sua jornada



Quando jovem, tão ativo e forte

Nada era capaz de o deter

Agora, só pensar enfrentar a morte

O forte, perdeu a parada de viver



Tristonho, é um ser sem coragem

Que sua saudade o faz chorar

Qual marinheiro de primeira viagem

Que vai afrontar o mar sem bagagem



Ele, que viveu sua vida inteira

Sem perder da vida a confiança

Está agora, perdendo a estribeira

Sem puder equilibrar a balança



São Paulo, 11/02/2013
Armando A. C. Garcia

Nenhum comentário:

Postar um comentário