Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

domingo, 29 de janeiro de 2012

O Pinheirinho

O Pinheirinho

Malgrado sua pujança
Deceparam o Pinheirinho
Homens, mulheres e criança
Jogados como lixinho

Ocupação irregular
Cresceu ao longo dos anos
Foi-se o dono incomodar
Quando já gastos os panos...

Se a justiça foi morosa
Não cumpriu o seu papel
Derrubada desonrosa
Criminosa e infiel

Não protejo invasores
Nem sua forma de agir
Mas ouçam lá, seus doutores
Porque demorou em bulir

A reintegração de posse
É medida liminar
É como aquele que tem tosse
Pra sarar, tem que tratar

Não pode esperar a doença
Porque esta o pode matar
Por isso, vênia, licença
A posse velha é de vingar !

Não discuto as mazelas
Atrocidades sem fim
Da polícia contra elas
Flores mortas, em seu jardim

O cidadão que não zela
O patrimônio que tem
Deixa crescer a favela
Depois quer, de novo o trem

Razão eu não lhe daria
Pela incúria praticada
Zelasse-a no dia a dia
Sem deixar, abandonada

A pobre gente gastou
Do sustento alimentar
E o avaro derrubou
Sem piedade, humilde lar

Foram sonhos de uma vida
De esforços inauditos
Que sentença, mal parida
Fez centenas de aflitos

Pobre gente, sem guarida
Que a ira de seus inimigos,
Leve infortúnio à sua vida
De ricos, virem mendigos

São Paulo, 29/01/2012
Armando A. C. Garcia

Nenhum comentário:

Postar um comentário