Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

segunda-feira, 10 de outubro de 2022

QUANDO !

 

Quando !

 

Quando amar, tu me dizias

Eu não podia duvidar

Nem sei porque o farias

Se tua feição, era amar

 

Quando tudo era perfeito

Nas veredas do amor

Tu, me amavas daquele jeito,

Como o colibri na flor

 

Quando perdido de amor

Andava com teu encanto

Tu, eras a linda flor

Que acolhia no meu manto

 

Quando pensava ser minha

A mulher que tanto amava,

Ela, como erva daninha

Já de mim se acercava

 

Quando nada percebi

Tu, estavas longe de mim

Como eu, nunca senti

Perder teu amor assim

 

Quando alegre me amavas

E promessas, tu fazias

Nunca pensei que tramavas

Deixar-me de mãos vazias !

 

São Paulo, 10/10/2022 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

 

Visite meus blogs:

http://brisadapoesia.blogspot.com

http://criancaspoesias.blogspot.com

http://preludiodesonetos.blogspot.com

 

Direitos autorais registrados

Mantendo a autoria do poema – Pode compartilhar

Nenhum comentário:

Postar um comentário