Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Fragilidade !

Fragilidade !


Eu, estou sobrevivendo na surdina
Da caridade de quem me abomina,
Curto meu fado, no desgosto triste
Fingido não saber o que existe !

O tempo não pára, ela me detesta
Devo permanecer, feito uma besta.
Ou partir sem uma arranhadura
Antes que me levem à sepultura !

Na verdade, não sei o que fazer
Vou resistindo, afrontado a vida
Sem ver o futuro, adio a partida,

Viverei de esmola, se Deus o quiser
Serei seu escravo, se tal aprouver...
- Morrerei! Serei um vivo, sem vida !

São Paulo, 23/01/2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com           
http://criancaspoesias.blogspot.com


Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema

Nenhum comentário:

Postar um comentário