Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Esta chama, que me chama, sem para

Esta chama, que me chama, sem parar


Esta chama, que me chama, sem parar
Que a alma me consome e me alenta,
Não é do rouxinol que trina, seu trinar...
Mas dos desejos sequiosos... dos oitenta !

Quem incrustou na alma aquela chama
Que a paz me tira e me vejo a despertar
Desse sonho, intangível que só clama;
Mas quem ouve o clamor, deixa atear

Maior chama, a este peito, já em chama.
Oh ! dulcíssimo sonhar que na vida vivi,
Celeste paixão, faminto desejo de quem ama.

Mas tu, não ouves o clangor desta trombeta
- Vez que quando passas e olho para ti...
Vejo meu tempo escoar na ampulheta !

São Paulo, 02/02/2016
Armando A. C. Garcia 

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema

Nenhum comentário:

Postar um comentário