Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

sábado, 30 de janeiro de 2016

Delida a alma (droga)

Delida a alma  (droga)


Delida a alma, extinta a luz do siso
O estado em que se encontra é deprimente
Semblante intranqüilo e sem sorriso
Um corpo jovem degenerescente
/
O consciente é enleado pelo inconsciente
O que seria uma aventura gerou tortura,
Anda na vida alquebrado fisicamente
A droga ... o está levando à sepultura !

Dilapidado da honra da comiseração
Caminha alucinado pelo vício
Pagando alto preço dessa ilusão

Frustrado e derrotado pelo mal maligno
Vive hoje no tablado do precipício,
Ao afastar-se de Deus, do caminha digno !

Porangaba, 30/01/2016 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

Nenhum comentário:

Postar um comentário