Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

terça-feira, 10 de novembro de 2015

O que tangeu as cordas... (soneto)

O que tangeu as cordas... (soneto)


Foste meu sonho, e meu primeiro amor
O que tangeu as cordas do coração,
Foste aquela, que nas asas do condor
Levou meu sonho à sublimação !

E neste meu querer obstinado,
Vi como pétalas, caírem uma a uma
As esperanças que tinha do teu fado,
Feneceram, sem possuir ao menos uma

E do imortal amor que tangência
O sofrido coração deste mortal
Sem tal amor, nunca teve alegria

Que a vida o dá, ao que no amor se cria 
Sentindo o viço do aroma matinal,
Da felicidade, e não da fantasia !

São Paulo, 10/11/2015 (data da criação)
Armando A. C. Garcia


Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

Nenhum comentário:

Postar um comentário