Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Ao sabor dos desenganos

Ao sabor dos desenganos (soneto)


De antro em antro, ao sabor dos desenganos
Preso ao sabor do nada que os antros têm,
Que subjugam o diabo e o poeta em seus planos
Sem saber intrinsecamente de onde provêm,

E como a noite, silenciosa que se instala,
Não sei, se é realidade, ou se é fantasia,
O que, ao sabor das ondas se propala
Neste meu pensamento cheio de *afasia

No vácuo do tempo, que a fantasia gera
Geme de tristeza a alma ao desengano
Entre as visões, do sonho da quimera

Num conflito que se instala e consome.
Cuja dor, rude e pungente, causa dano 
À alma, que sem carinho, passa fome !

                                               * referente à verdade ou falsidade

São Paulo, 28/09/2015 (data da criação)
Armando A. C. Garcia
                       
Visite meu blog:
http://brisadapoesia.blogspot.com

Direitos autorais registrados

Mantenha a autoria do poema

Nenhum comentário:

Postar um comentário