Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Rua da Costanilha - Miranda do Douro



Rua da Costanilha
                                              
Miranda do Douro - Portugal

Saudosa rua da Costanilha
Das quatro esquinas centrais
Onde se reunia a *matilha
Pra conversar dos demais

Como nos arcos da praça
Debaixo dos temporais.
Tudo tinha sua graça
Até mesmo, nos cabanais

Outras vezes nas adegas
Tomando uns copos de vinho
Quando não, lá nas bodegas
Com um naco de toucinho

Eram de grande alegria
As nossas conversações
Quando terminava o dia
Fazíamos nossos serões

Caminhando até à terronha
Ou até, atrás do castelo
Numa conversa bisonha
Nosso mundo era singelo

Passeando nas muralhas
Ou mesmo no adro da sé
Ouvir o grasnar das gralhas
Depois de tomar um café

Passear pelas arribas
Vendo o Douro sinuoso
Entre alecrins e urtigas
Corria o tempo ditoso 

Lá não existia maldade
Éramos todos amigos
Feliz, nossa mocidade
Hoje, são tempos antigos

Não havia televisão
Internet, nem pensar
Mas não nos faltava o pão
Nem estórias pra contar

Era o rádio o portador
Das notícias populares
Um telefone ao dispor
De manivela singular

No dia da consoada
Saíamos igual mateiros
Cortar a lenha à machada
Para acender a fogueira

Os carros de bois chiando
Sob o peso da carrada,
A malta toda gritando
Não tinha medo de nada

Tempos que não voltam mais
A vida era diferente
Hoje internet e outros tais
Tomam o tempo da gente

A cidade era pacata
Não havia desavenças
Se alguma alma era ingrata
Acertava as diferenças
                                                                              * fig. malta
São Paulo, 17/09/2013            
Armando A. C. Garcia       

Nenhum comentário:

Postar um comentário