Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

sábado, 28 de janeiro de 2012

Falando de Amor (soneto duplo)

Falando de Amor (soneto duplo)

É inútil querer fingir que não te amo
É tão fútil como um frágil desengano
Ato malcontente dum amor profundo
Estranho desatino a complexar o mundo

Bem que eu poderia, qual um moribundo
Nos fúnebres lamentos, últimos segundos
Esquecer-me de ti, de tuas feições primor
Não lembrar-me mais de meu imenso amor

Assim não quer a vida, a paixão tem preço
O triste pagamento, é tudo que mereço
A dor da saudade, é minha companheira

O tempo implacável, traga-me a ilusão
Como a devorar-me a alma e o coração
Tu, foste o sonho, que sonhei a vida inteira

II

Fogem-me os sentidos, em busca de espaço
Noite e dia, vejo em você, meu fracasso
A cada dia que nasce, renovo a esperança
Mas tu não retornas, a ausência me cansa

A cada manhã, desabrocha o meu sonho
Devastado pela solidão, vivo tristonho
Cruel solidão, que aporta este mundo
Ansiedades, angustias, são panos de fundo

Inesquecível lembrança, profundo amor
Imenso vazio, tristeza, aflição e dor
Só um conto de fadas, dará outro rumo

Navegando meus sonhos em tuas fantasias
Voltarei a sorrir, e a viver harmonias
Ternura infinita, contigo, me aprumo

São Paulo, 29/01/2012
Armando A. C. Garcia

Nenhum comentário:

Postar um comentário