Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Vã Promessa (Soneto)

Vã Promessa

A tua vã promessa, afasta-a de minha alma
Chão de terra nua, é mais límpido que tu
Devoras com o gume afiado de tua palma
Cada instante, cada lembrança e o sonho nu

Na memória teu enleio, rondou à porta
Da minha felicidade, hoje *rebotada
É ventura que nenhum sabor comporta
Fruta caída ao chão, sem viço, apodrecida

Do teu jardim de amor, aqui me despeço
Embora minha alma fique estremecida
Paguei neste infortúnio elevado preço

Afasta do rosto a visão dos teus sentidos
Tanto aquém da morte, como além da vida
Hoje, vejo em tudo, sentimentos perdidos !

São Paulo, 12/04/2010
Armando A. C. Garcia

E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br

*repelida; rechaçada 

Nenhum comentário:

Postar um comentário