Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Tua fragrância (Soneto)

Tua fragrância (Soneto)

A fragrância que teu corpo ao mundo exala
Qual gota de sândalo, idéia de vida
Este *bardo, transporta ao sonho que embala
Se é cedo morrer; que importa a partida

Deixa-me sorver no sonho da existência
O bálsamo ardente, magistral conforto
Entre dois sonhos, a virtual coerência
Que vigora e aviva a imortal saudade

A vasta imensidade, as vistas cegam ...
Ó amor, porque não curas a saudade
Desfaz-se o alento, as nuvens carregam

E em vão imploro a tua vontade
Momentânea ilusão os olhos me pregam
Condição perjura, se fosse verdade

São Paulo, 12/01/2010
Armando A. C. Garcia

E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br

* poeta; vate; trovador 

Nenhum comentário:

Postar um comentário