Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Rebramando (Soneto)

Rebramando


Nunca pude fugir aos teus encantos
Por mais que evitasse fingir não ver
*Rebramando os sentimentos tantos
Ao saber, que no teu amor não posso crer

Se à perdição os sonhos dão esperança
Pela mão da desventura envenenados
Vertem nas mágoas a velha confiança
Pela dor da saudade aprisionados

Na *baça tristeza que os prantos enleia
Não posso imaginar, se o lugar existe
Na teia de teus carinhos que pranteia

O sonho que embriaga, ainda persiste
Espargindo esperança. É fel na veia
A quem ao teu amor, não mais resiste

São Paulo, 05/10/2009
Armando A. C. Garcia


* ressoar; retumbar
** sem brilho 


Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 


Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário