Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Quando se avizinha a tempestade (Soneto)

Quando se avizinha a tempestade


Quando se avizinha a tempestade
Precisa equilíbrio, compreensão
Nem sempre prevalecendo a vontade
Muito menos a fulgida razão

É nesses momentos que percebemos
Que às vezes temos de ceder para viver
Difícil é alcançar sem entendermos
Ser preciso semear para colher

O que transforma os dias no inverso
Pois o medo de errar nos é comum
Tende a esquecer a mágoa no reverso

Desvenda a amplitude do universo
Do mundo que existe em cada um
Como raio de luz, deste meu verso.

São Paulo, 04/09/2009
Armando A. C. Garcia

E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário