Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

terça-feira, 16 de agosto de 2011

OS NADAS QUE ESCREVI ! (Soneto)

OS NADAS QUE ESCREVI !


Os nadas que escrevi, em vã glória
Circunspecto da minha sapiência
Não encarnam os dons da eloqüência
Nem revelam a imagem da memória

Não são créditos, por que os não têm
Nem de méritos providos, deles ausente
Do retrós, são alinhavos ao desdém
De ergástulos, surgidos certamente

São do néscio, os nadas preteridos
Qual rosa que fenece, já sem rama
Pelo estertor da dor, já consumidos

Clamores de quem chora e os derrama
Feitos de pigmeu, por tempos idos
Eis aqui, o retrato de minha fama !

São Paulo, 28/06/2008
Armando A. C. Garcia

E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário