Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Os cordeirinhos (Infantil)

Os cordeirinhos

o cordeiro


Apascentava cordeirinhos
Dia e noite sem parar
Com sol, chuva ou frio
Estava sempre a seu par

Por apelidos chamava
Um, João, perna de pau
A outro, ele batizou
De José cara de mau

Uma cordeira, Malhada,
Outra, chamada Mimi
Uma chamava de Fada
Uma outra, de Fifi.

Eram muitos, e era lindo,
Cada apelido que tinha.
Chamava, vinham sorrindo
Encostando a cabecinha.

Os cordeirinhos tão lindos
Branquinhos da cor da neve
Com seus carinhos infindos,
Balançam o rabo-leve.

Pelos prados matizados
Vicejantes e floridos
Vão pastando debruçados.
De guarda, o cão, dá latidos,

Brincam o dia inteiro
Uns sobre outros pulando,
Só à noite no chiqueiro
Acabam se acalmando,

No dia seguinte é igual
Recomeça toda folia.
O dia acaba e a final,
O sono os adormecia.

São Paulo 06/08/2004

Armando A. C. Garcia


E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário