Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

domingo, 14 de agosto de 2011

O Pintassilgo

O Pintassilgo

 

Canta, canta, pintassilgo
Que quero ouvir-te cantar
Canta, canta, pintassilgo
Que quero ouvir teu trinar

Exuberantes melodias
Surgidas do teu trinar
Teu cântico é sinfonia
Ecoando pelo ar

Teu cântico é prazeroso
Deslumbramento, leveza
Do alto do ipê frondoso
Fascínio da natureza

Tua plumagem é bela
Matizes de todas cores
Tua postura singela
Iguala-se à das flores

Entoas cânticos sem fim
No hábitat natural
Teu cantar no meu jardim
Exorta-me ao *abissal              

Pintassilgo, canta, canta,
Que quero ouvir-te trinar
O teu trinar me encanta
Não me faças esperar

Deslumbras com teu trinar
As verdes copas da mata
Tudo pára p’ra escutar
Tua suave serenata

Mesmo preso na gaiola
Uma crueldade sem fim
Manténs a mesma bitola
No suave trinar sem fim

Por seu encanto e beleza
Todos pretendem ter um
É um deslize com certeza
Aprisionar-se algum !

São Paulo, 14/04/2011
Armando A. C. Garcia
                                               *assombroso; espantoso; fig. misterioso
Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 


Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário