Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

O COELHINHO BRANCO (Infantil)

O coelhinho branco




Com os prados cobertos de neve
Alimento o coelhinho branco buscava
Entre os arbustos, em uma busca breve
P’ra saciar a fome que o devorava

Mas eis que bem no alto, lá do céu
Uma ave de rapina o espiava
E num vôo picado, asas ao léu
Sobre ele, qu’em pensamento degustava

Jogou todo furor naquele vôo vertical
Mas, o coelhinho branco e manso não dormia
Percebendo o risco do vôo descomunal
Rápido como um raio na neve se escondia

Entrando de baixo da neve, a águia enganou
E esta, na fúria rasgando os céus. bateu seu bico
De encontro ao chão, onde parte dele quebrou.
A águia, não desistiu de seu petisco rico

Em nova arremetida se aventurou
O coelhinho branco que nos arbustos comia
Percebeu o vôo que do céu a pique singrou
E, novamente na neve se escondia

D águia hiante, o bico agora pendia
E o coelhinho branco, manso e pequenino
Livrou-se da águia cruel que o perseguia
E para sempre viveu em harmonia.

São Paulo 06/08/2004

Armando A. C. Garcia

Nenhum comentário:

Postar um comentário