Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

No Silêncio da Fria Madrugada (Soneto)

No silêncio da fria madrugada


No silêncio da fria madrugada
No deleite despertaste ao amor
Momentos de êxtase e de calor,
Na sublimidade, foste amada

Em vão desejo o sussurrante amor
Carpindo saudades no pio manto
Coloriu de elação o teu encanto
Que nem santa acudiu o teu clamor

Teu semblante, hoje mais que astro brilha
Aos gestos das definidas ternuras
Teu peito se diz ditoso à maravilha

Cativa à gratidão, só tens branduras
Ao fervor extremo, ao fim da trilha
Ao imenso caos... de frias noites escuras.

São Paulo, 24/05/2010
Armando A. C. Garcia

E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário