Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

MUNDO TORVO (Soneto)

Mundo Torvo

No *dédalo **torvo da angústia e da agonia
Desfaz-se em prantos na ***treda história
De um amor selvagem a pobre Maria
Quebrados os elos que a ambos unia

Da turgência de seu seio bronzeado
Que ao seu peito tantas vezes encostou
Resta agora um macilento. O que sobrou
Do seu corpo esguio. Hoje, dilatado

Na fúria desmedida do destino
Que esconde as faces ocultas do porvir
Maria viu partir seu peregrino

E a canoa o mar arrasta convulsivo
Ao tom das vagas, ele parece sorrir
- Perdeu a Maria, o que achava exclusivo

São Paulo, 23/02/2010
Armando A. C. Garcia
E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br
*Cruzamento confuso de caminhos
** Pavoroso; que causa terror
***Falso; traiçoeiro
Comentarios

Nenhum comentário:

Postar um comentário