Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

JURAS DE AMOR!...





JURAS DE AMOR !...


Se amor tão puro, um dia desprezaste
Amor, que nunca deixou de te querer
No peito ainda punge a dor que magoaste
Com juras de amor de nunca me esquecer

A dor do sofrimento que carrego
Nos longos dias da minha caminhada
Puderam ver com clareza o amor cego
E que pouco valem juras de namorada

Que pena, se assim tu me deixaste
- Se alguma coisa d’amor em ti restou
E na minha escura sorte me amaste...

Teu silencio tão profundo trás à mente
Que tua desdita à minha se igualou.
- Pois, não se atreve a falar do juramento

São Paulo, 23/07/2007
Armando A. C. Garcia


Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 


Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário