Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

A GIRAFA E O LEÃO (Infantil)

A GIRAFA E O LEÃO


Majestosas de andar desengonçado
Chegando até cinco metros de altura !
São belas e impares em formosura,
Dóceis, meigas criaturas do cerrado.

Seu hábitat são as savanas africanas
Seu peso, chega até duas toneladas
Andam sempre juntas; em médias manadas
Dormem de pé, para não serem caçadas.

P ro sangue ao topo da cabeça chegar
De onze quilos seu enorme coração !
O cérebro parece ficar em outro andar...
Por estar, três metros acima da emoção.

De quatorze meses é sua gestação
E de cada vez, apenas um filhote.
Se atacadas, o coice é sua salvação
Ou então, elas disparam num pinote!

Andam até cinqüenta quilômetros por hora
Apesar de terem andar gingado,
Por sua andadura ligeira... caiem fora
Do perigo que sempre está ao seu lado.

Para pastarem alguma vegetação
Ajoelham-se ou abrem as pernas da frente
Quando isso acontece para chegar ao chão...
Abrem as pernas exageradamente !

Apesar de seu grande comprimento
Seu pescoço por sete vértebras é formado.
As folhas e os frutos são seu alimento
Têm audição, visão e olfato apurado !

Seu inimigo feroz, mortal é o leão
Mas nesta história ele foi o derrotado !
Quando num grupo delas uma adoentada
Vai ser atacada pelo feroz vilão

Perto do Saara, na savana africana
Um grupo de dez ou vinte girafas
Alimentava-se de folhas de acácia
Um leão observava com perspicácia

Entre elas uma havia-se deitado
Procedimento nas girafas invulgar
Por isso o leão o grupo havia emboscado ,
Para em seguida com ímpeto atacar,

Em louca fúria, pensou que presa faria...
Mas um imponente macho majestoso !
Quando o leão... sua mãe quase mordia,
Destemido, enfrentou o rei iroso.

Desferiu-lhe um tremendo coice, certeiro
Qu'em questão de segundos... o leão, jazia.
O extremo final, o limite derradeiro...
Seus miolos, voaram por toda a pradaria.

Nem sempre a vitória é do mais forte
O leão nunca pensou ser superado...
Mas para tudo na vida, precisa sorte !
Às vezes o fraco, é por Deus sublimado.

São Paulo, 05 de outubro de 2004

Armando A. C. Garcia -




E-mail : armandoacgarcia@superig.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário