Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

FINGINDO... (Soneto)

FINGINDO... (Soneto)

Finjo que não te vejo, finjo não te amar
Fingindo levo a vida, tentando me enganar
P’ra saciar minha sede, meu desejo, de querer
Eu morro à mingua de sede, sem tua água beber

Fingindo, fujo à verdade, e ao amor que te dedico
Dissimulo, aparentando não querer ao que abdico
E de tanto fingir chego a pensar que te esqueci
No letargo sonho que sem ti, nesta vida vivi

Como é triste fingir, quando se finge até de si
Mas o mais triste é conter o desejado querer
Que a vida inteira cobiça o amor que está em ti

Se a inocência predomina no fingimento do amor
É qual poesia sem rima, triste forma de viver
Fingindo, engano à vida, qual roseira sem flor .

São Paulo, 31/05/2008
Armando A. C. Garcia
E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br 



Nenhum comentário:

Postar um comentário