Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Estática Paixão (Soneto)

Estática Paixão


No amor foste minha última esperança
Que igual ao primeiro se desintegrou
Tu, que parecias elo de bonança
Foste a espada que meu coração sangrou

Ainda gemo surdos ais pela desdita
O medo esfria, porém a dor aumenta
Lágrimas de angústia, coração palpita
Transborda o pranto na gruta da tormenta

Nas juras desse doce amor, inda cotejo
Esperança, pelo tempo fenecida
Do que foi na vida meu maior desejo.

No meu peito não cicatriza a ferida.
E a quem coubeste, para sempre invejo.
Por este mísero sonho, que tive na vida !

São Paulo, 04/09/2009
Armando A. C. Garcia

E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br 



Nenhum comentário:

Postar um comentário