Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

A Esperança (Sonetos)



A Esperança


Desvanecem-se os sonhos, sucumbe a crença
O vil desalento avança. Surge a descrença
É uma ilusão perdida na esperança
A emurchecer o sonho da bonança

Contrapõe-se à felicidade terrena
Por ser da natureza da vida serena
Que precisa sonhar, para ser feliz
E ter no sonho, aquilo que sempre quis

Por conseguinte tal qual desalento
Espero que seja o fim do sofrimento
E que volte nos braços da aliança

Esta, que de regressar jamais se cansa
Por ser uma âncora de fé e confiança
É a virtude...chamada esperança !


II


Na expectativa de fé e confiança
No bem, no bom e na esperança
Passa em sonho divino cambiante
Como espetáculo de visão distante

E nesta terra, aonde o destino
Faz do homem um sonho pequenino
Volva ele à paz e a harmonia
Que sua existência não seja tão sombria

Sonhos sem fim, por fim, o fim dos sonhos
A natureza ainda é mãe, é pomba branca
Eternamente fiel e sempre franca

E ao sair desse sonho triste, medonho
Volva o eterno bem, num instinto de luz
E encontre o homem o amor puro, Jesus !

Porangaba, 02/03/2011
Armando A. C. Garcia


Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
 


Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário