Bem vindo à Brisa da Poesia!

Espargindo fragrância nas mal dedilhadas letras, levo até vocês, uma amostra tecida no rude tear da minha poesia! Espero que o pensamento exteriorizado nos meus versos leve até vocês momentos de deleite e emoção!
Abraços poéticos, Armando A. C. Garcia
São Paulo, 06/08/2011

sábado, 6 de agosto de 2011

A Aldeia



A Aldeia


Nasce uma estrela, é noite, e a seguir a lua cheia
Já começa a despontar, tocando a linha do horizonte.
Os grandes carros de bois vêm chiando pelo caminho
Grupos de moços e moçoilas, tão frescos como arminho
Vão cantando à desgarrada pelas quebradas do monte
E na aldeia sossegada, vê-se o luzir da candeia.
Já nos beirais do telhado repousa a andorinha dormente
Pia o mocho arrepiado, naquele seu choro dolente
E já de regresso à aldeia, o pastor trás seu rebanho
O cabreiro desce a serra.; do prado vindo é o boieiro,
Já na capoeira o galo, tem subido ao seu poleiro.
Só de vigia estão só cães a um movimento estranho.
E na aldeia sossegada, vê-se o luzir da candeia.
Rompe o dia, é manhã cedo, de novo começa a vida
Já a cotovia do prado é distraída e contente
Da chaminé do telhado, sai o fumo espessamente
No sino do campanário a badalada é repetida
E é este todo o fadário de uma aldeia adormecida...

Portugal 21/09/1959

Armando A. C. Garcia

E-mail: armandoacgarcia@superig.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário